Suco de laranja e triglicérides
Data: 04/01/2009

Novas descobertas muitas vezes acarretam alterações nas recomendações nutricionais. Até 2005, o suco de laranja devia ser evitado por indivíduos que apresentassem altos níveis de triglicérides. Entretanto, a recomendação já mudou.

O suco de laranja deve fazer parte da dieta de quem tem níveis elevados de triglicérides, diz pesquisa realizada pelo grupo de nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara, no interior de São Paulo.

O estudo conduzido por esse grupo avaliou durante três meses os resultados da ingestão diária de meio litro de suco em um grupo de 18 homens e 23 mulheres, com idades entre 30 e 60 anos. Após os três meses, foi constatado aumento nos níveis de colesterol bom (HDL), além da diminuição do colesterol ruim (LDL) e de triglicérides (moléculas de gordura) no sangue dos indivíduos.

A coordenadora do projeto, a médica Thais Borges César, explica que no suco de laranja existem compostos químicos benéficos, os flavonóides, e que provavelmente são eles os responsáveis por este efeito, a hesperidina e a naringenina. No entanto, serão realizadas mais pesquisas para comprovar o efeito destas substâncias.

Apesar da descoberta, o que fazer? É apenas o começo do dilema para quem tem o problema e busca informações sobre a dieta adequada.

Mas como na nutrição o que vale é o equilíbrio, a recomendação não muda muito. O suco de laranja é um alimento calórico, um copo de 200 ml contém aproximadamente 110 kcal, ou seja, se você consumir dois copos de suco de laranja por dia, isso significará 220 kcal, mais ou menos 10% das necessidades diária de energia.
Para os indivíduos que praticam atividade física e precisam de um aporte calórico maior, dois copos de suco de laranja por dia podem ser uma boa opção, tudo irá depender dos outros alimentos ingeridos.
Para quem já apresenta triglicérides, colesterol e pressão arterial elevada, é necessária uma dieta individualizada e acompanhada por um nutricionista. Quem busca a prevenção destas doenças, pode incluir o alimento no cardápio
Crédito: Dra.Andrea Galante - mestre e doutora em Nutrição Humana Aplicada pela Universidade de São Paulo, e presidente da Associação Brasileira de Nutrição


voltar